Sorri e o Mundo Sorri Contigo por Luísa Sargento

31 janeiro 2009

Quem são DeRose e Rámakrishna



DeRose é Doutor Honoris Causa, Comendador e Notório Saber por várias entidades culturais e humanitárias, Conselheiro da Ordem dos Parlamentares do Brasil, Conselheiro da Academia Brasileira de Arte, Cultura e História, e Conselheiro da Academia Latino-Americana de Arte. Tem quase 50 anos na profissão de educador e 24 anos de viagens à Índia, freqüentando durante essas estadas no país inúmeras escolas, mosteiros e outras entidades culturais, nas quais buscou aprimorar seu conhecimento da Filosofia Hindu.

Em 1960 DeRose começou a lecionar numa conhecida sociedade filosófica. Em 1964 fundou o Instituto Brasileiro de Yôga. Em 1969, publicou o primeiro livro (Prontuário de Yôga Antigo), que foi elogiado pelo próprio Ravi Shankar, pela Mestra Chiang Sing e por outras autoridades. Em 1975, já consagrado como um professor sincero, encontrou o apoio para fundar a União Nacional de Yôga, a primeira entidade a congregar instrutores e escolas de todas as modalidades de Yôga, sem discriminação. Foi a União Nacional de Yôga que desencadeou o movimento de união, ética e respeito mútuo entre os profissionais dessa área de ensino. Desde então, a União cresceu muito e conta hoje com centenas de escolas, praticamente no Brasil todo e instrutores na Argentina, Chile, Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Escócia, Alemanha, Itália, Havaí, Indonésia, Canadá, Estados Unidos, Austrália e outros países.

Em 1978, DeRose liderou a campanha pela criação e divulgação do Primeiro Projeto de Lei visando à Regulamentação da Profissão de Professor de Yôga, o qual despertou viva movimentação e acalorados debates de Norte a Sul do país. A partir da década de setenta, introduziu os Cursos de Extensão Universitária para a Formação de Instrutores de Yôga em praticamente todas as Universidades Federais, Estaduais e Católicas. Em 1980, começou a ministrar cursos na própria Índia e a lecionar para instrutores de Yôga na Europa. Em 1982, realizou o Primeiro Congresso Brasileiro de Yôga. Ainda em 82, lançou o primeiro livro voltado especialmente para a orientação de instrutores, o Guia do Instrutor de Yôga; e a primeira tradução do Yôga Sútra de Pátañjali, a mais importante obra do Yôga Clássico já feita por professor de Yôga brasileiro. Desafortunadamente, quanto mais sobressaía, mais tornava-se alvo de uma perseguição impiedosa movida pelos que sentiam-se prejudicados com a campanha de esclarecimento movida pelo Prof. DeRose. Em 1994, completando 20 anos de viagens à Índia, fundou a Primeira Universidade de Yôga do Brasil e a Universidade Internacional de Yôga em Portugal. Em 1997, DeRose lançou os alicerces do Conselho Federal de Yôga e do Sindicato Nacional dos Profissionais de Yôga.

Para mais informações consulte:
www.uni-yoga.org
http://www.uni-yoga.org/blogdoderose/



Rámakrishna Paramahamsa (Bengali: রামকৃষ্ণ পরমহংস), nascido Gadadhar Chattopadhyay (Bengali: গদাধর চট্টোপাধ্যায়) [1], (18 de Fevereiro, 1836 - 16 de Agosto, 1886), foi um dos mais importantes líderes religiosos Hindus da Índia, e foi profundamente reverenciado por milhões de Hindus e não-Hindus como um mensageiro de Deus. Rámakrishna foi uma figura influente na Renascença Bengali do século XIX. Swami Vivekananda, um dos seus maiores discípulos descreveu Rámakrishna Paramahamsa como: "Ele que foi Rama, Ele que foi Krishna, agora é Rámakrishna neste corpo." fonte: wikipedia

Para mais informações consulte:
http://www.ramakrishna.org/

Dia do Yôga em Portugal

No dia 18 de Fevereiro celebra-se o Dia do Yôga. Data emblemática para esta filosofia de vida, pois coincide com o dia do nascimento de dois grandes Mestres - Rámakrishna em 1836 e DeRose em 1944.


Esta data está oficialmente instituída em vários estados brasileiros e homenageia publicamente a obra de uma personalidade tão carismática e importante na nossa sociedade actual, o Mestre DeRose.

Em Portugal, as entidades organizadoras são a Federação de Yôga do Norte de Portugal (FYNP) e a Federação de Yôga do Sul e Ilhas de Portugal (FYSIP).

Tal acção estende-se de Norte a Sul do País, possuindo também um cariz filantrópico, dado que haverá uma contribuição alimentar, através de doações de alimentos não perecíveis, para a Associação Abraço.

CALENDÁRIO DAS FESTIVIDADES DO DIA DO YÔGA

14 Fevereiro | Sábado
Multiusos de Gondomar, na Sala de Ouro

16h00 – Recepção dos participantes com entrega de um certificado de participação e recolha de alimentos não perecíveis para a Abraço;
16h30 – Apresentação de coreografias do Método DeRose, com demonstradores nacionais e internacionais;
17h00 – Mega Aula de Yôga (Ashtánga Sádhana) para 300 pessoas.


20 Fevereiro | Sexta-feira
FNAC de Cascais

21h00 – Apresentação de coreografias do Método DeRose, com demonstradores nacionais e internacionais;
21h30 – Palestra: "Autoconhecimento, uma ferramenta para gerir o stress" com o Prof. António Pereira, Presidente da FYSIP.

21 Fevereiro | Sábado
Faro

22h00 – Clean Party no Suigeneris (restaurante/bar/discoteca).

Estão todos convidados!!!

Mas o que é afinal a LIBERDADE... 2

Quando penso em liberdade alguns conceitos surgem no meu pensamento, não sei se meio ao calhas, se reflexo daquilo que fui construindo acerca do assunto.

Altruísmo, egoísmo, espaço vital, solidão, zelo, possessividade, conformidade, disciplina, regras, e sei lá mais o quê... Simplesmente sei que a liberdade é tão essencial ao meu bem-estar, à minha lucidez, à minha sanidade mental, em suma à minha qualidade de vida. E quem diz à minha, diz à de todos!

Observando o significado de cada uma delas (segundo o wikidicionário):

Altruísmo - amor desinteressado ao próximo, ajudar sem querer nada em troca, literalmente nada.

Egoísmo - hábito ou atitude de se colocar os interesses, opiniões, desejos, necessidades próprios em primeiro lugar, em detrimento do ambiente e das demais pessoas.

Espaço vital - (não encontrei definição).

Solidão - estado daquilo que está só, isolado.

Zelo - dedicação ardente, afeição íntima, desvelo, cuidado, interesse (no plural) ciúmes.

Possessividade - (não encontrei definição).

Conformidade - Qualidade do que está ou é conforme; Analogia, semelhança; Harmonia; Resignação; De acordo, concordância; Concerto.

Disciplina - os regulamentos que orientam certos corpos, certas assembleias (como a Igreja, o exército, escolas, etc.); instrução moral; educação; ensino qualquer ramo do conhecimento adquirido pelo estudo a boa ordem que resulta da obediência à lei.

Regra - preceito, norma ou lei; o que é determinado por lei; constituição ou estatuto de ordens religiosas.

Algumas destas definições não me agradam por completo e, como sempre, a língua portuguesa deixa margem para muitas interpretações e, possivelmente, desencontros nos encontros de pessoas que tentam partilhar ideias...

Não sei quem me disse onde li, mas sei que sempre assimilei a liberdade como um direito meu que terminava justamente onde começava a liberdade do outro. Se cumpri esse direito correctamente em todas as ocasiões? Sei que não! Embora procure fazê-lo, só que nem sempre damos conta da outra pessoa que está ali ao nosso lado, provavelmente um desconhecido, que se sente invadido por alguma atitude nossa que nos parece tão, digamos, normal.

Por exemplo, numa fila para pagar a gasolina. Somos uns seis ali à espera e a pessoa que está atrás vai aproximando-se, aproximando-se e eu fico a pensar: mas será que não vê que está a incomodar-me?! E não vê mesmo, continua a aproximação... Só que, se calhar, se em vez de mim essa pessoa estiver atrás de ti, tu pensas: nada, não pensas nada, não te incomoda...

28 janeiro 2009

Mas o que é afinal a LIBERDADE...? 1

"A liberdade é o nosso bem mais precioso. No caso de ter que confrontá-la com a disciplina, se esta violentar aquela, opte pela liberdade." DeRose

"O Homem nasce livre, porém em todos os lados está acorrentado." Jean-Jacques Rousseau

"Nascer horrendo, triste, cego e louco
Sem mãe, sem pai, sem fé, sem nada
Um pouco de lama, abandonado no caminho
Sem ter de meu, um gesto de carinho

Nascer assim, até aguento
Desde que eu possa
Nascer livre
Nascer livre

Viver desconhecido, iludido, desprezado
Beber do ódio, amargo vinho
Viver sem um amor, viver sozinho

Viver assim, até aguento
Desde que eu possa
Viver livre
Viver livre

Morrer ser o momento da partida
Brotar uma lágrima mesmo que fedida
Morrer abandonado no caminho
Sem ter de meu um gesto de carinho

Morrer assim, até aguento
Nada me importa
Mas tem que ser livre
Tenho que ser
Tem que ser livre
Tenho que ser
Tem que ser livre" Composição: Celso Blues Boy e Raul Seixas

27 janeiro 2009

Gerir Stress por Vanessa de Holanda

Dia do Yôga




Para mais informações, visita o blog do Dia do Yôga:

http://diadoyoga.wordpress.com/

18 de Fevereiro

26 janeiro 2009

Pessoas que não se esquecem

Á Professora Renata Sena:

Em dedos uma vibração,
um sentido encaminhado
pelas palavras em gesto
transformadas, como senhas
que nos transpõem para além
das barreiras da ilusão
em que todos vivemos...
Mãos que vivem num colectivo,
talvez inconsciente, mas vivo...
impressões que o digitalizam
através dos sons que nos guiam
nesta vivência de mudrás...
Uma voz poderosa reacende
as sensações de seres assim
perfeitamente colocados,
que encerram ensinamentos
assazmente perpetuados,
por alguém cujo coração
foi tocado pela ancestralidade
dos movimentos que subtilmente
desenha, incorporando-os
no seu íntimo e capacitando-nos
de realizar o mesmo:
a sua sensibilidade no abrir
as mais perfeitas portas...

A elegância por Toulouse Lautrec


"Existe uma coisa difícil de ser ensinada e que, talvez por isso, esteja cada vez mais rara : a elegância do comportamento.
É um dom que vai muito além do uso correcto dos talheres e que abrange bem mais do que dizer um simples obrigado diante de uma gentileza.
É a elegância que nos acompanha da primeira hora da manhã até a hora de dormir e que se manifesta nas situações mais prosaicas, quando não há festa alguma nem fotógrafos por perto.
É uma elegância desobrigada.
É possível detectá-la nas pessoas que elogiam mais do que criticam. Nas pessoas que escutam mais do que falam. E quando falam, passam longe da fofoca, das pequenas maldades ampliadas no boca a boca.
É possível detectá-la nas pessoas que não usam um tom superior de voz ao se dirigir a frentistas. Nas pessoas que evitam assuntos constrangedores porque não sentem prazer em humilhar os outros.
É possível detectá-la em pessoas pontuais.
Elegante é quem demonstra interesse por assuntos que desconhece, é quem presenteia fora das datas festivas, é quem cumpre o que promete e, ao receber uma ligação, não recomenda à secretária que pergunte antes quem está falando e só depois manda dizer se está ou não está.
Oferecer flores é sempre elegante.
É elegante não ficar espaçoso demais.
É elegante, você fazer algo por alguém , e este alguém jamais saber o que você teve que se arrebentar para o fazer…
É elegante não mudar seu estilo apenas para se adaptar ao outro.
É muito elegante não falar de dinheiro em bate-papos informais.
É elegante retribuir carinho e solidariedade.
É elegante o silêncio, diante de uma rejeição…
Sobrenome, jóias e nariz empinado não substituem a elegância do gesto.
Não há livro que ensine alguém a ter uma visão generosa do mundo, a estar nele de uma forma não arrogante.
É elegante a gentileza… atitudes gentis, falam mais que mil imagens…
…Abrir a porta para alguém… é muito elegante …Dar o lugar para alguém sentar…é muito elegante…Sorrir, sempre é muito elegante e faz um bem danado para a alma… ..Oferecer ajuda…é muito elegante…Olhar nos olhos, ao conversar é essencialmente elegante.
Pode-se tentar capturar esta delicadeza natural pela observação, mas tentar imitá-la é improdutivo. A saída é desenvolver em si mesmo a arte de conviver, que independe de status social: é só pedir licencinha para o nosso lado brucutu, que acha que “com amigo não tem que ter estas frescuras”.
Se os amigos não merecem uma certa cordialidade, os inimigos é que não irão desfrutá-la.
Educação enferruja por falta de uso.
E, detalhe : não é frescura."

Algumas repercussões da alimentação com carne



Segundo o estudo acima, publicado pela revista Época de 16 de Outubro de 2006, todos os veículos juntos – automóveis, motas, autocarro, camiões, tractores e outros – produzem 4% da poluição do ar.

No entanto, a poluição produzida pela criação de ruminantes (28%) mais o seu esterco (4%), juntos produzem 32% da contaminação da atmosfera. A desproporção é colossal!

Conclusão: os maiores responsáveis pela poluição e pelo comprometimento do ar que respiramos, pelo aquecimento global e pela destruição da camada de ozono são os comedores de carnes que sustentam uma indústria pecuária sem precedentes na história da humanidade.

22 janeiro 2009

Mude sempre

“Mude tudo sempre.
Mude a cor do seu cabelo. Mude o corte, também.
Mude o lugar dos móveis da casa. Mude de casa também.
Mude o trajeto que você faz para ir ao colégio. O do trabalho também.
Mude o sabor do sanduíche predileto. E do sorvete também.
Coma menos carne e mais manga.
Menos refrigerante e mais água mineral.Com gás.
Mude o estilo da roupa. Use mais branco. E mais vermelho também.

Mude. Mude sempre.

Mude seus sentimentos em relação aos amigos. E aos inimigos também.
Mude seus cuidados com a pessoa amada. E por quem lhe ama também.
Mude sua generosidade pelos que pedem. E mais tolerância com quem se doa a você.
Mude sua visão do trabalho e com quem você reparte 1/3 de toda a sua vida.
Mude sua visão da morte, da eternidade e do medo de morrer.
Não culpe nunca ninguém pelo que lhe acontece. Nem Deus, nem o diabo nem a sorte.
Mude sua visão da responsabilidade. Você é o único responsável.
Cuide mais dos amigos, do seu pai e da sua mãe também.
Tenha um cachorro ou um gato. Com o nome bem pequeno.
Jogue fora o guarda-chuva. E a ansiedade também.
Às vezes fique só. Gente, o tempo todo, cansa.

E principalmente. Mude os cuidados com o seu corpo.
Ele é o seu primeiro e único verdadeiro patrimônio.
Sem ele você não muda. Nada.
É no corpo onde habitam todos os verdadeiros desafios.
Ele é todo o seu território no qual são feitas as mudanças.
Então dê uma chance verdadeira a ele.Mude-o todos os dias.
Respire mais, flexibilize-o mais, torça-o, distenda-o e finalmente relaxe-o.
Depois medite.
E tudo mudará para sempre.”

Jóris Marengo

De Jóris Marengo

"O trabalho é o veículo de aplicação do nosso valor (a totalidade das nossas qualidades, habilidades e talentos) no mundo em volta de nós, tornando-o um lugar ainda melhor para se viver."

21 janeiro 2009

Ashtánga Yantra



O ashtánga yantra é o símbolo do SwáSthya Yôga, o Yôga Antigo. Suas origens remontam às mais arcaicas culturas da Índia e do planeta. Parte de sua estrutura é explanada no Shástra Yantra Chintamani. Nessa obra clássica, sob a ilustração consta a legenda: “Este é o yantra que detém a palavra na boca do inimigo”. Cons­titui um verdadeiro escudo de proteção, lastreado em arquétipos do inconsciente coletivo.



Como qualquer escudo de proteção, não pode ser usado como arma de ataque. Assim, ninguém conseguirá utilizá-lo para fazer mal a pessoa alguma. No entanto, se alguém agredir um protegido pelo ashtánga yantra, ferir-se-á gravemente. Por isso, quase todas as pessoas que usam o verbo para atacar o portador do ashtánga yantra costumam colher tão amargos infortúnios.



Extraído do livro Tratado de Yôga do Mestre DeRose.

Índia




Imagens fornecidas por Rosana Ortega

Para conhecer melhor o Mestre DeRose visite o seu blog:

http://www.uni-yoga.org/blogdoderose/

De José Saramago

"Se a humanidade é algo que deve começar com a razão, com o sentimento, com uma relação humana mais estreita e mais pura, com mais conhecimento do outro, então eu diria que cada vez estamos mais longe disso.

As três doenças da civilização actual são a progressiva incomunicação, uma revolução tecnológica que não temos tempo para assimilar nem sabemos aonde nos leva, e uma concepção da vida que passa unicamente pelo triunfo pessoal, individual."



De A.Koyré

"Não é do trabalho que nasce a civilização, mas dos ócios e do lazer."

Shiva Natarája - O rei dos bailarinos



"Só posso crer num deus que saiba dançar"

F.Nietzche

19 janeiro 2009

De Fernando Pessoa


"Se Deus é as flores e as árvores
E os montes e sol e luar
Então eu acredito nele a toda a hora.

Mas se Deus é as árvores e as flores
e os montes e o luar e o sol,
Para que lhe chamo eu Deus?
Chamo-lhe flores e árvores e montes e sol e luar."

A Fábula sobre a Síndrome de Caim, por DeRose

" Quando surgiu a espécie Homo, de onde viria a desenvolver-se a espécie Homo sapiens, havia duas subespécies: Homo amábilis e Homo malígnus. Essas subespécies eram tão semelhantes que até podiam cruzar e eventualmente o faziam, gerando uma descendência híbrida. Mas havia uma diferença entre elas. O Homo amábilis era um animal doce e querido, de sentimentos francos e comportamento dócil. Jamais agredia, nem para se defender. Repartia a comida (frutos, raízes, folhas, mel), dividia a caverna, compartilhava as ferramentas. nunca esperava uma agressão ou traição por parte do Homo malígnus. Este, por sua vez, era o oposto. Sempre tramando ardis para roubar a comida, as ferramentas, a moradia e tudo o que o Homo amábilis possuísse. Há quem diga que o relato biblíco de Abel e Caim, os primeiros homens sobre a Terra, referia-se àquelas duas subespécies.

Havia, na época, alguns poucos milhares de exemplares da espécie Homo no planeta e não se esperava que ela vingasse, pois era menos aparelhada para sobreviver que os outros animais, Não dispunha de presas, garras, chifres, veneno, velocidade, nada. Mas uma das subespécies parecia ter desenvolvido, como arma secreta, uma astúcia maligna. Com ela engendrava ciladas para os animais, inclusive os da mesma espécie, a fim de levar a vantagem, destruí-lo e tomas tudo o que ele tinha.

Com o tempo, o Homo amábilis entrou em extinção por razões ainda não muito claras, enquanto que o Homo malígnus sobrepujou e sobreviveu. Dele, evoluiu o Homo sapiens. Por isso temos tantas invejas, tanto ódio, tanto prazer em destruir, em falar mal. Por isso, existem crimes e guerras. Por isso, o ser humano destrói o meio ambiente, desmata florestas, polui as águas. Por isso, ele tortura e mata sem sensibilidade tanto os outros humanos quanto os animais e devora carnes.

O Homo malígnus só não destruiu totalmente a vida no planeta porque alguns espécimes trazem os genes recessivos do Homo amábilis, adquiridos por ocasião dos cruzamentos acidentais entre as duas subespécies na aurora desses "pithecos" que se diz Homo. Um bom número dos que trazem os genes do Homo amábilis são hoje praticantes de SwáSthya e vegetarianos convictos. e é por isso que ainda há esperança para a humanidade e para o planeta."

Mestre DeRose, Tratado sobre Yôga, p.p. 791-792

15 janeiro 2009

Anatomia Comparativa, por Milton R. Mills

Nós vivemos num mundo onde a classificação da alimentação humana é feita de forma enganosa pelo simples facto da cultura à qual estamos acostumados aprova, há muito tempo, uma alimentação à base de carne, ovos, leite e outros derivados animais. O homem diz-se um animal omnívoro, oportunistamente, para não se privar do seu paladar egoísta. Esta teoria não passa de uma mentira que alimenta a indústria que explora e massacra milhares de animais todos anos.
Abaixo estão algumas comparações feitas entre os animais carnívoros, omnívoros, herbívoros e o homem, as quais servem para sanar a dúvida criada pela nossa cultura.
Definições do dicionário: carnívoro (que se alimenta de carne), herbívoro (que se alimenta de ervas ou vegetais), omnívoro (que come de tudo, polífago).



De Pitágoras

"Enquanto o homem continuar a ser o destruidor de
seres inferiores, não conhecerá a saúde ou a paz.
Enquanto o homem mantiver o massacre de animais,
também se irá manter a matança entre si mesmo.
Consequentemente, aquele que semeia a semente do
assassinato e da dor não pode colher gozo e amor."

De Darwin

"A classificação das formas, funções orgânicas,
costumes e dietas demonstram de uma maneira evidente
que o alimento normal para o homem é vegetal, tal como
para os antropóides e símios, e que os nossos dentes
caninos estão muito menos desenvolvidos. Não estamos
destinados a competir com bestas selvagens ou animais
carnívoros."

De Óscar Wilde

" A vida contemplativa, a vida que tem por objectivo, não o fazer, mas o ser, e não apenas o ser, mas o conseguir ser, é a que pode dar-nos o espírito crítico. Os deuses vivem assim."

14 janeiro 2009

Excerto de um debate

São Paulo foi o palco deste debate, mas os assuntos abordados aplicam-se a qualquer país, cidade, vila, lugar do nosso planeta e da nossa época.


13 janeiro 2009

De Albert Einstein

"Nada beneficiará tanto a saúde humana e incrementará
as possibilidades de sobrevivência da vida sobre a
Terra, como a evolução em direcção a uma dieta
vegetariana."


http://www.sejavegetariano.org/

A Beleza

A beleza está nas pétalas da flor,
está no hálito morno das areias,
está no pássaro que voa e canta,
está no vento que fala comigo
na meditação do entardecer.

A beleza está na rocha viva,
está nas Sílfides do incenso que aspiro,
está no olhar terno e suplicante do cãozinho
que me entende mais do que eu a ele.

Se a beleza habita em tudo quanto existe,
porque não há-de habitar também
na proposta da nossa sublime União?
DeRose

Estrutura deste Blog

Os temas que serão abordados estarão divididos em:
  1. Métodos e práticas que incrementem a qualidade de vida
  2. Alimentação
  3. Ambiente
  4. Filosofia
  5. Sociedade
  6. Pensamentos (frases que nos façam pensar)
  7. Poesia em verso ou em prosa
  8. Indignações
  9. Sugestões
Quando surgir algum assunto que pense ser interessante será integrado a esta lista.

Até breve!

12 janeiro 2009

Bem Vindos!

foto de Joel Bessa


Este blog é para todos aqueles que têm como objectivo de vida partilhar ferramentas para incrementar a qualidade de vida. Se és um deles, junta-te a mim! Sorriremos juntos e faremos o mundo sorrir connosco!