Sorri e o Mundo Sorri Contigo por Luísa Sargento

22 fevereiro 2011

Padma Purána

Shiva comunica a Párvatí:

Minha querida esposa, ouve minhas explicações de como eu, através da filosofia máyáváda espalhei a ignorância. Basta ouvi-la para que mesmo um avançado erudito caia. 

Nessa filosofia que, com certeza é muito inauspiciosa para as pessoas em geral, eu representei mal o verdadeiro significado dos Vêdas e recomendei que se abandonassem todas as actividades a fim de se libertar do karma. 

Nesta filosofia máyáváda, descrevi que o jivátmã e o Paramátã são a mesma coisa. A filosofia máyáváda é ímpia. 

Ela é budismo disfarçado.

Minha querida Párvatí, na Kalí-yuga, sob a forma de um bráhmana, ensino esta filosofia máyáváda imaginária. 

A fim de enganar os ateístas, descrevo que a Suprema Personalidade de Deus é sem forma e sem qualidades. 

De modo semelhante, ao explicar o Vêdánta, descrevo a mesma filosofia máyáváda a fim de desencaminhar toda a população rumo ao ateísmo ao negar a forma pessoal do Senhor.


18 fevereiro 2011

E há 10 anos tudo mudou... e continua a mudar...

Continuando nas influências:

Foi há 10 anos que decidi deixar de beber, fumar (fosse o que fosse) e de comer carne (o que inclui peixe, marisco, fiambre e afins que derivem da morte de algum animal). E hoje também marco uma posição na continuação do meu caminho...

Foi na sala do Coliseu do Porto enquanto assitia a um concerto a favor, penso que, da UNICEF. Olhei para o palco, um coral vocalizava/recitava mantas, uma imensa multidão acompanhava e Carlos Cardoso http://www.mestrecarloscardoso.com.br/  era o Maestro.

Em seguida, Edson Moreira http://www.yogalivre.com/ representava Shiva numa coreografia de grupo, na qual também entrava a Catarina (que tinha sido a primeira pessoa que tinha visto a fazer coreografia de Swásthya Yôga).

Todo este evento era para comemorar o aniversário de DeRose www.metododerose.org/blogdoderose , o sistematizador do Swásthya Yôga e fundador da Universidade de Yôga que, com o passar dos anos, deu origem ao Método DeRose.

E esse dia mundou completamente a minha forma de estar. Foi como se numa fracção de segundos tudo aquilo que estava a borbulhar na minha cabeça, há já alguns tempos, explodisse e aparecesse na forma de uma filosofia de vida maravilhosa: o Yôga! Que escolhi como minha!

Hoje não estou mais associada ao Método DeRose, mas guardo no coração a pessoa maravilhosa que hoje faz anos:

DeRose

E que me abriu o caminho deste modo bonito de ser e viver!
Obrigada por tudo do fundo do coração!

Muitos Parabéns!!!

01 fevereiro 2011

Influências II

Como me pude esquecer de Feuerbach... O teólogo humanista...

E daqui relembro a influência da Igreja Católica na minha infância: digamos que toda a minha família materna é católica daqueles que vão à Missa ao Domingo e sempre que podem, já foram catequistas, pertencem aos escuteiros e todos os etcs que se conheçam, mas claro, na minha opinião, podiam ser um pouco mais cristãos...

Aos 6 anos, dizem, quis ir para a catequese (com ou sem influência familiar, não sei). O certo é que aos 11/12 anos ía para a Capela do meu Colégio (católico e de meninas) em vez de ir brincar para o recreio :)

O que fazia? Conversava com Deus e rezava... Fazia a minha devoção a cada um dos santos que estava representado nos altares daquela maravilhosa capela. E o que é mais interessante é que uma das santas de culto era mulher: Nossa Senhora do Bom Sucesso:

Nossa Senhora, Nossa Rainha, Nossa Mãe
Em nome de Jesus e pelo amor de Jesus
Vos imploramos que tomeis a nossa causa em Vossas mãos
E lhe alcançais o melhor despacho.

Ou

Our Lady, Our Queen, Our Mother
In the name of Jesus and for the love of Jesus
We implore Thee to take our cause in your hands
and make a good success. (acho que era algo assim)

Também havia o agradecimento a cada refeição (aspecto que retomei depois de conhecer a Pedagogia Waldorf, faz-me sentido).

Contudo o que mais recordo de toda essa educação religiosa era devoção, a entrega e uma frase que a Sister Colm (irmã que me acompanhou na preparação para o Crisma) me disse: O Corpo é o Templo de Deus...